sexta-feira, 15 de março de 2019

Antropologia, quadrinhos, poesia... o que você está lendo?




O que você está lendo – ou relendo? Da minha parte, estou navegando nas 459 páginas de “Uma breve história da humanidade”, do cientista e autor best-seller Yuval Noah Harari (L&PM Editores). Nos entrega não apenas erudição e conhecimento em linguagem simples, acessível e com boas sacadas textuais e metafóricas. O autor israelense também constrói ligações e conexões inesperadas, na recuperação da pré-história e da história, resgatando de modo amplo mas sintético o caminho que nos trouxe até os dilemas atuais.


Ah, sou fã de quadrinhos (HQs) também, e quase sempre estou curtindo algo no gênero (geralmente, confesso, longe das historietas de super-heróis). Agora, leio e observo a riqueza de informações e traços de “Cumbe” (Editora Veneta), do brasileiro Marcelo D’Salete. Neste livro, ele narra a trajetória fictícia, mas baseada em documentos reais, de um escravo negro que se revolta e busca a liberdade, no Brasil Colonial, para além do caso paradigmático de Zumbi dos Palmares. O livro do paulistano D’Salete foi traduzido e lançado em vários países europeus e concorreu no Eisner 2018, maior prêmio e salão de quadrinhos do mundo, em San Diego, Califórnia.




E para encerrar esta quase resenha, aqui vai “na língua da manhã silêncio e sal”, da poeta gaúcha e minha amiga Juliana Meira. Desbravadora da linguagem poética, de sentidos, emoções e conexões inesperadas, elabora uma escritura sem pontos, vírgulas ou travessões – tudo é totalidade e deriva. Caso sério para a poesia contemporânea brasileira, e ainda em construção. A edição é da Modelo de Nuvem.

2 comentários:

Dinah Sales Dinas disse...

Oi, Zé Antônio,
Gostei da sua volta 'comedida' ao blog.
Pequetito, peró cumplidor!
E vamos aos livros, porque de resto tudo está à deriva!

E já que perguntou, estou lendo um livro de contos: Doce pássaro da ilusão, do meu amigo Zedu Lima (também jornalista como nosotros).

beijo e boa lavra,
Dinah

José Antônio Silva disse...

Valeu, Dinah! Tua presença e comentário valorizam meu bloguinho, que estava completamente abandonado. Obrigado pelas palavras certas - minha volta é mesmo "comedida", pois vamos ver o que sucede. Um abração e boa leitura do Doce pássaro da ilusão. Voe com ele!