domingo, 22 de outubro de 2017

Napolemoro pode tudo




Naquela entrevista ao estilo “tá tudo em casa” que Sergio Moro concedeu a Globo News, respondendo só a perguntas amigáveis que levantavam a bola para ele dar as respostas que todo mundo já conhece,
e na qual o repórter amestrado não questionou – só por exemplo – porque as investigações e denúncias que envolvem o PSDB e seu criatório de tucanos nunca vão adiante na Lava-Jato (com a resposta padrão “não vem ao caso”),
pode-se ver, porém, um detalhe significativo na prateleira de livros atrás do magistrado:
ali, junto a outros bonecos, figurava o minibusto de Napoleão Bonaparte (que, aliás, também era pequeno em carne e osso).
O velho e conquistador Bonaparte é uma das inspirações de Moro.
Muita gente – inclusive boa – também admira o corso.
Napoleão avançou sobre a Europa e, em suas guerras de conquista, provocou a morte de aproximadamente 3,5 milhões de pessoas, segundo historiadores;
proibiu casamentos entre pessoas de “raças diferentes”;
revogou a abolição da escravatura nas colônias francesas em sua época.
E muito mais.
Moro não tem nada com isso. Deve gostar apenas do homem forte que conquistou tudo o que queria.
Seja do jeito que for.


Nenhum comentário: