domingo, 26 de abril de 2015


A época do jornalismo “sem escrúpulos”

José Antônio Silva

José Ivo Sartori está novamente mantendo a população do estado – e em especial os servidores públicos – sob suspense em relação ao pagamento de seu justo salário mensal. Há poucos dias, o “Gringo” voltou de Brasília de mãos abanando, como era de se esperar: afinal, todos sabem que o governo federal está fazendo o tão propalado ajuste fiscal. Para contornar o problema, ele resolveu dar o calote na dívida gaúcha com a União.

Mas... vale lembrar: Tarso Genro, quando governador do Rio Grande do Sul (2011-2014), pagou todos os salários do funcionalismo em dia, e ainda deu aumentos reais às categorias dentro do serviço público. Além disso, em seu governo o RS chegou a crescer mais que o resto do país. E, de quebra, liderou a luta para solucionar a dívida dos estados.

Nada adiantou. A maioria da população riograndense deu a vitória a um sujeito que se apresentava como um homem simples, uma espécie de “gente como a gente”. Mesmo ao mandar, debochadamente, os professores buscarem seu piso salarial numa loja de material de construção, Sartori não teve a sua campanha ameaçada.  No entanto, eleito, se comprovou um político limitado, sem projeto nem proposta consequente. A única que se pode confirmar foi a de “tirar o PT do governo”, e nisso ele foi vitorioso.

Vitória, que como todos os indicadores mostram, na verdade foi uma derrota para o estado, para os gaúchos e gaúchas. Aliás, o governador disse recentemente que “não tem escrúpulos”, referindo-se ao que poderá fazer para levar adiante seu desgoverno.

O fato é que o eleitorado do RS foi inoculado com o vírus do "antipetismo", uma doença fabricada nos laboratórios da Grande Mídia, representando os mega-interesses contrariados pelas políticas sociais do PT. Sem pretender negar os desvios éticos e crimes cometidos, vejo que a escalada conservadora em vigor não se deveu aos casos de corrupção (sempre presente na história brasileira) mas, fundamentalmente, aos acertos sociais petistas.

A doença tem como uma de suas características mais nefastas fazer a pessoa duvidar daquilo que ela mesma vive: entre outras coisas, emprego, casa própria, carro novo – e um filho na universidade, pela primeira vez na história de milhares e milhares de famílias!
Após duvidar do que vivem, passam a acreditar na versão que é veiculada insistentemente pelos meios de comunicação. Como escreveu o sociólogo e político Florestan Fernandes (1920-1995): “A televisão tornou-se um estado dentro do estado, uma escola acima das escolas e uma forma subliminar e assustadora de manipulação das mentes”.

A Globo, principal rede de TV brasileira, que cresceu à sombra da Ditadura de 1964, em sua comemoração de 50 anos de jornalismo vem dando um show de distorção histórica e revisionismo, omitindo seu próprio papel golpista e inúmeros episódios vergonhosos. Vale lembrar o caso do grande comício pelas Diretas, em 1984, que reuniu um milhão de pessoas na Praça da Sé, em São Paulo. A Globo, à época, noticiou que a massa humana estava lá em função do “aniversário da cidade”...

Também é importante ressaltar que a “crise” brasileira, noticiada dia e noite, na verdade está longe da dimensão que lhe querem atribuir.  Até a Petrobrás - que a direita não desiste de querer privatizar – segue ganhando prêmios de competência e produtividade mundo afora.

Mas isso não aparece na TV. Assim como Sartori sobre seu modo de governar, a maioria da imprensa brasileira também “não tem escrúpulos”.

Enfim, como não ser afetado por esta moléstia de grande poder de transmissão?

O único antidoto de comprovada eficiência é duvidar de toda a informação de caráter político-econômico propagada pela Grande Mídia. (Eventualmente alguma tentativa de isenção noticiosa vaza destes jornais, rádios, TVs – mas logo desaparece por completo, ou é escondida no noticiário menor, longe das manchetes).

Mas já aviso: se “informar” pelo Facebook e redes sociais, como faz muita gente, é ainda pior do que frequentar a Grande Imprensa. Primeiro, que não há uma estrutura profissional para apuração dos fatos que são narrados, nem um profissional identificado a quem se possa cobrar seriedade; depois, o que se vê ali é muito mais repetição da repetição de alguém, que termina por ser apenas... opinião - embora apresentada, sempre, como uma certeza absoluta: “Filho de Lula é sócio da Friboi”, etc.

Voltando: como viver sem saber o que passa? Há outros modos de obter informação de qualidade fora da Grande Mídia e da guerrilha opinativa das redes. E escapar da doença do “antipetismo”.

Um: buscar material de apoio na própria Internet, que através de sites de busca oferece centenas de dados e artigos sobre qualquer fato relevante – contra, a favor, e muito pelo contrário – de modo que o internauta possa tirar suas próprias e equilibradas conclusões.

Dois: ler bons livros, como se sabe, sempre ajuda a ampliar nossos horizontes.

Três: procurar os chamados veículos alternativos ou de esquerda, como as revistas Carta Capital, Caros Amigos, os sites Carta Maior, 247, DCM, Sul21, Luis Nassif Online, etc. Alguém há de contrapor: “Mas são revistas comprometidas com um lado! Também não são isentas...”

A discussão é longa. Vamos tentar sintetizar: grandes veículos de comunicação, mundo afora, TÊM POSIÇÃO DECLARADA! E isso não é ruim. O seu leitor, espectador ou ouvinte já sabe que a INTERPRETAÇÂO dos fatos, ali, será de direita, de esquerda ou de centro. Mas sabe, também, que a NOTÍCIA dos fatos será OBJETIVA, obedecendo a critérios técnicos de informação, sem favorecimento clandestino (matérias “escondidas”, informações incompletas, omissões, etc). A interpretação e o lado apoiado estará no lugar certo: no Editorial ou nos textos opinativos assinados.

Aqui chegamos a um dos males da Grande Mídia brasileira contemporânea: toda ela é, em maior ou menor grau, EDITORIALIZADA. Quer dizer, a própria notícia já traz uma interpretação. Negativa, se for sobre a esquerda, ou o contrário, se for relativa ao outro polo, mas sempre entranhada no que diz o apresentador ou o repórter de confiança da “casa”, na risadinha sarcástica do radialista, nas caretas de ironia do âncora da Globo, etc.

E isto é praticamente um crime que se comete diuturnamente contra o público. Por que? – você pode perguntar. Simples: porque este tipo de matéria já interpreta o fato para o leitor, espectador ou ouvinte, dificultando que ele chegue às próprias conclusões. Com a massa de informação contrária à esquerda recebendo muito mais espaço de divulgação do que a dos demais setores – e ainda com a tal EDITORIALIZAÇÃO das matérias, pode-se afirmar que existe mais manipulação da informação do que jornalismo.

O maior exemplo deste tipo de “jornalismo” é a revista Veja, da Editora Abril. Ela é a rainha e pioneira da EDITORIALIZAÇÃO, e imutavelmente a serviço dos setores conservadores. Além disso, usa e abusa de truques sujos, que vão da manipulação de imagens nas capas até “reportagens” que são – apenas – colagens de declarações e fatos desabonatórios à esquerda, em textos encharcados de adjetivos negativos e declarações forçadas contra o odiado inimigo.

Mas, sobre a tal EDITORIALIZAÇÃO, presente na maioria da imprensa nativa, é importante recordar: nem sempre foi bem assim. Depois que o jornalismo passou a ser uma indústria de comunicação e se orgulhar da qualidade e veracidade de suas informações, ao longo do século XX, ficou estabelecido que notícia/informação era uma coisa, e que interpretação/opinião era outra. Objetos separados e diferentes. Verdade que sempre houve manipulação. Mas também havia, nos próprios profissionais da imprensa, uma resistência a isso.

A reportagem, ocupando maior espaço, trazia os fatos, as declarações dos entrevistados (sempre ouvindo os “dois lados” em temas polêmicos), os números e dados. Se o assunto merecesse, vinha ao lado – dentro do chamado “box” -  uma análise do fato, com suas possíveis consequências sociais, sempre assinada por um estudioso do tema, fosse um jornalista especializado ou alguém de fora, com reconhecido conhecimento de causa. Você podia ler apenas a matéria, se quisesse, e estaria bem informado. Era opcional ler a opinião ou análise contida no “box”.

Hoje, o que mais se vê são pseudo reportagens, onde o jornalista assina não apenas a apuração dos fatos, mas ele próprio infiltra no mesmíssimo texto a sua opinião e um julgamento do tema - por coincidência, quase sempre de acordo com a posição dos donos do Grande Mídia.

Por essas e outras, cada vez mais dizem que o jornalismo brasileiro acabou. Respeitando os grandes profissionais que ainda trabalham por aí, nos temas de relevância política, econômica e social o que se vê é um disfarçado serviço de assessoria de imprensa dos grandes interesses do reacionarismo nacional.

Assim, cabe a cada um de nós buscar com algum empenho outras fontes e formas de informação. Para o verdadeiro bem do povo e felicidade geral da nação.

segunda-feira, 20 de abril de 2015



Da toca para dentro

José Antônio Silva

Da toca, com o focinho para fora, uma família de ratos sussurra, em guinchos curtos:
- Cuidado! Há cães lá fora...
- E um homem...

A rata move o rabo comprido, com nervosa determinação.
-....mas eu preciso ir... tenho que buscar comida...

Os ratinhos se amontoam ao redor da mãe. O avô, de longos bigodes grisalhos, corpulento mas alquebrado, cheio de dores, arremata:
- Ela tem razão, meninos. Já não temos mais comida. Sua mãe é a única de nós que pode trazer alguma coisa...

Guincha alto.
- O pai de vocês era um imprestável! Um vagabundo molenga! Tinha que ser morto logo por um gato imbecil, um maldito gato gordo de madame...

A rata tapa - com o rabo e as patas - as orelhas salientes da ninhada. Suspira.
- Papai, por favor! Olhe a linguagem. As crianças... Era meu marido, o pai deles... E eu ainda choro por ele...

O velho resmunga, tosse um pouco e senta sobre as grandes patas traseiras, dentro da caixa de sapatos, meio roída, que chama de cama à noite, e de poltrona durante o dia.

Depois de beijar os filhotes, a mãe enfia o nariz na amplidão do mundo, fora da toca. Olha para os lados, observa fixamente a luz que faz brilhar as casas não muito distantes. Traça uma rota mental.
E sai.

Ao anoitecer, ela deposita um pedaço de pão duro no meio do seu lar, aos pés da família.

Os ratinhos começam a roer imediatamente o alimento, entre guinchinhos curtos e excitados.

- Coma também, papai – convida mamãe rata.

Com um golpe da grande pata dianteira no ar - como quem diz: “ah, deixa pra lá’”-, o patriarca se acomoda de lado no caixão. Só ela presta atenção ao que ele diz, em voz entrecortada pela tosse.
- Pão? Pão engorda! E eu estou precisando mesmo entrar em forma.

E fecha os olhos.

A rata termina de raspar as migalhas que os filhos deixaram sobre a terra escavada, coberta de entulho, onde a família construiu sua morada. Come o que sobrou.

As crianças já dormem, alimentadas.

É, não foi tão mal hoje. Foi bem. Foi, foi um bom dia. 
- Não foi, papai? Papai?? Papai!

quinta-feira, 2 de abril de 2015


Mulher sobre a cama

José Antônio Silva

A realidade é uma mulher sobre uma cama. Para alguns observadores, ela dorme. Outros acreditam que espera um amante, olhos bem abertos. Muitos dizem que está doente. Para muitos, está morta.

Há quem garanta: é apenas um manequim de gesso, um simulacro. Mulher inflável, talvez.

Ela é negra. Ela é branca. É asiática. É índia. É mestiça. Talvez seja um travesti.

É mãe. É filha. As duas coisas? Ela é uma fantasia de quem a vê.

A realidade é tudo isso, uma sucessão de momentos no tempo – há quem afirme.

Os sábios, os técnicos, os cientistas pesquisam e buscam novos instrumentos de mensuração, aproximação – desejam captá-la em sua essência.

Armam seus aparelhos de futura geração.

Ligam.

Mas onde está a mulher? Onde a cama?