sexta-feira, 11 de abril de 2014


 

Porto premeditado
    
José Antônio Silva


Havia um porto premeditado

entre peixes

navios

e águas virtuais;

 

havia um ponto no futuro

ainda antes de haver porto

barcos

ou qualquer água;

 

havia um poço em ebulição

onde tudo se formava

definia

projetava;

 

havia um posto avançado da vida

- como a conhecemos -

no  tecido do infinito.

 

Havia a cintilação do que há hoje

como imagem

que apenas esperava:

um porto singelo

num estuário de lago e rio

onde um pequeno bote

a remo

deixa seu rastro invisível

lento

pela memória das águas.
 
 
 
(Publicado originalmente na "Antologia do Sul - Poetas Contemporâneos do RS", editada pela Assemnbleia Legislativa, em 2001)
 
Ilustração: Gabriel Simch