segunda-feira, 18 de junho de 2012

Poetando

Céu do Mercado




José Antônio Silva



Por entre as aletas

que fazem voar

o céu do Mercado

chuviscam pardais



que rasam farelos

de chão e de mesas

como pistas de caça

na água das cervejas



ciganos

magicos

ladrões escolados

sobreviventes



pardais pisam

sem medo nem pressa

no rastro das gentes.



Um comentário:

Lesia disse...

Por que eu esqueço de, quando em vez, dar um pulinho na tua Lavra Livre? É assim que eu perco estes versos que me situam no meu chão... Não pára, Zé. Continua a me emocionar. Beijo da Marilesia