sábado, 10 de setembro de 2011

Crônica Minha

A galáxia do “Urinol Cheio” no universo da Internet


José Antônio Silva


Em meio aos movimentos estelares do universo virtualmente infinito conhecido como Internet, gira uma galáxia nebulosa que só agora revela sua real dimensão e composição. O Observatório Celeste de Lavralivre, através de nossos supertelescópios, conseguiu fotografar o formato de uma galáxia formada mas ainda não estudada: trata-se do “Urinol Cheio”, como foi batizada a descoberta feita por nossos cientistas.


A tal galáxia localiza-se, ou fica visível, logo abaixo de formações analíticas do universo da Internet. Ou seja, os corpos fenomenológicos chamados de Artigos (e sua variação, as Notícias) geram – independentemente deles mesmos – uma série de unidades espaciais conhecidas por Comentários, que assemelham-se a grossos respingos. Estes parecem saltar de uma tigela estelar larga e baixa, com uma espécie de “asa” em uma das circunferências externas, entre o que seria a “boca” e o arredondado meio da galáxia.


Comentários

No “Urinol” virtual da Internet – este universo em expansão de contradições – é nos Comentários exatamente que os pesquisadores de Lavralivre, em parceria com demais observatórios mundo a fora, identificam uma das mais impressionantes condensações de imbecilidades, impropriedades, desinformação, palavrões e ofensas gratuitas, afirmações racistas e fascistas, quase sempre sem qualquer (ou muito escassa) relação com o que está contido nos Artigos ou Notícias próximos.


Algumas das partículas dos Comentários puderam ser captadas pela laboratório espacial Lavralivre, após longa viagem ao coração de pedra do universo virtual. Examinadas em nossos laboratórios, exalavam um odor muito forte e repulsivo de excrementos humanos, conhecidos em linguagem não científica como “merda pura”.


Corpúsculos repugnantes

Estes pequenos corpos repugnantes, constituídos da - originalmente - luminosa matéria das palavras, põem em risco até a confiança no futuro da humanidade, ou mesmo do Universo. Afinal, os exames realizados nos tais Comentários revelam altos índices de explosividade e nocividade, contidos nessa concentração de gazes intoxicantes. Para sobreviver no universo infinito da Internet, melhor evitar os Comentários, que seguem como caudas de cometa os Artigos, nos grandes corpos celestes conhecidos como Portais da Internet.


No entanto, com a evolução das observações, a equipe Lavralivre de cientistas-navegadores percebeu que apenas os Comentários que pipocam nas galáxias dos grande sites do universo virtual, descontroladamente, têm este comportamento destrutivo e extremamente nocivo. Os pesquisadores não tiveram dificuldades em entender, rapidamente, que nos blogues e corpos espaciais mais condensados, a participação dos Comentários tem efeito contrário: funcionam como uma espécie de germinadores e carregadores de matérias primas energéticas para a regeneração e perpetuação dos corpos celestes internéticos.


Novas órbitas

As pesquisas continuam, mas o Observatório Celeste Lavralivre já tem um conclusão preliminar: a evidente inclinação cósmica dos grandes portais pela quantidade gigantesca de “acessos” (como são conhecidas as presenças esporádicas ou constantes de pequenos corpos) nas suas órbitas, gera um grave desequilíbrio qualitativo nos Comentários. Já aos blogues de menor giro espacial e mais densidade, são atraídos apenas Comentários que carregam matéria-prima semelhante à dos Artigos, o que resulta em processos mais saudáveis e órbitas que abrem novas possibilidades, no mundo ainda enigmático da virtualidade.

Nenhum comentário: