domingo, 26 de abril de 2009

Crônica Minha

Do amor cantado – 2


José Antônio Silva


Em esforço classificatório anterior, sobre os estilos amorosos da MPB, LavraLivre deteve-se sobre oito modalidades que sempre batem ponto em nossas canções: Adolescente, Indeciso, Intenso, Caliente, Machista, Magoado, Terminal e – no fim – Infinito.
Mas, claro, ainda não era o ponto derradeiro, que na verdade não existe. Atendendo à inúmeros pedidos de dois ou três leitores, retomamos nossa listagem. É aconselhável não levar em conta diferenças de qualidade entre os artistas participantes. Olha só:

9. Culpado: “Estou amando loucamente/ a namoradinha de um amigo meu/ sei que estou errado/ mas nem mesmo sei como isto aconteceu”, Roberto e Erasmo Carlos. “Eu pedi pra ficar/ eis o que se passou/ ele nos encontrou/ e agora ela sofre somente porque/ foi fazer o que quis/ o remorso está me torturando...”, Lupicinio Rodrigues.

10. Amigo: “Podemos ser amigos simplesmente/ coisas do amor, nunca mais”, Fernando Lobo. “Beijos sem paixão/crimes sem castigo/ aperto de mãos/ apenas bons amigos”, Engenheiros do Hawai

11. Numérico: “Na matemática, do meu desejo, eu sempre quero/ mais um, mais um/ mais um beijo”, Jorge Mautner-Nelson Jacobina (foto no alto). “Da primeira vez/ era a cidade/ da segunda o cais e a eternidade/ e das estrelas que esquecemos de contar/ o amor se deixa surpreender”, Tom Jobim.

12. Violento: “Se te pego com outro te mato/ te mando algumas flores/ e depois escapo”, Sidnei Magal. “Eu vou escrever no seu muro /e violentar o seu gosto/ eu quero roubar no seu jogo/ eu já arranhei os seus discos”, Adriana Calcanhoto.

13. Divino: “A deusa da minha rua/ tem os olhos onde a lua...”, Newton Teixeira-Jorge Faraj. “Como uma deusa/ você me mantém...”, Rosana-Claudio Rabello (versão).

14. Animal: “Era uma vez um Lobo Mau/ que resolveu jantar alguém”, Carlos Lyra-Ronaldo Bôscoli. “Sou fera ferida, no corpo e na alma/ e no coração”, Roberto e Erasmo Carlos. “Pombo correio/voa ligeiro/meu mensageiro/e essa mensagem/de amor/leva no bico”, Moraes Moreira-Dodô-Osmar.

15. Estival: “Quando o inverno chegar/eu quero estar junto a ti/pode o outono voltar/eu quero estar junto a ti/porque é primavera/ te amo é primavera/ meu amor”, Cassiano-Silvio Rochael.

16. Meteorológica: “Chove lá fora e aqui/ faz tanto frio/ me dá vontade de saber/ aonde está você”, Lobão. “Chove chuva, chove sem parar/ por favor chuva ruim/ não vá molhar o meu amor assim”, Jorge Benjor.

sexta-feira, 24 de abril de 2009

Balaiada Hightech




Presidenciais


José Antônio Silva


Que pecado!
O bispo e presidente paraguaio foi vítima da sua própria Igreja: se pudesse usar camisinha, esse escândalo todo não teria acontecido!


Mães dos filhos de Lugo só se manifestaram agora, com o homem na Presidência: sabiam que não adiantava se queixar para o bispo.


Considerando o número de filhos de dom Lugo, daria pra dizer que hoje no Paraguai ele é literalmente “o pai da pátria”?
Enfim, dom Lugo é bispo, mas também papa.


Ainda os olhos azuis
Já o Lula tem sua razão ao dizer que os loiros de olhos azuis têm culpa pela situação mundial. Mas pessoalmente acho as morenas de olhos verdes bem mais perigosas.


Justiça Excelente
Justiça é cega mas faz mira: será que não tem "capanga do Mato Grosso" chegando à Brasília?


Debate de Excelências:

- Vossa Excelência ofendeu Minha Excelência!

A melhor explicação
Deputado nordestino explicando a farra das passagens aéreas para amigos, agregados, cupinchas, sócios, cúmplices, amantes, cachos e até familiares e esposas:
- Querem agora que todo o congressista seja celibatário?

quinta-feira, 16 de abril de 2009

Crônica Minha (15)

Exclusivo! Penetramos na mente da elite brasileira!

José Antônio Silva

Os editores de Lavra Livre, preocupados com a repercussão das investidas da Polícia Federal sobre a nata batida da nossa melhor sociedade, acionaram o Instituto LavraLivre de Leitural Mental e Telepatia à Distância para ver o que seria possível apurar. A idéia era penetrar, com todo o respeito, no cérebro de alguns milionários brasileiros para saber como se sentem ao serem editados não mais nas colunas do jet set, e sim nas páginas policiais da imprensa (ou quase isso: não vamos exagerar). Para tanto, do nosso corpo sarado de sensitivos, selecionamos os loiros de olhos azuis (“a resistência dos penetrandos, assim, é muito menor”, reconheceu um dos especialistas).

Para não desperdiçar esforços mentalizando em várias direções – e mesmo correndo o risco de perder informações de outros pontos do país e paraísos fiscais -, nossa equipe focou nos prédios da Avenida Paulista, em São Paulo, apostando que lá conseguiria alguma coisa. A poluição, o barulho e o incessante trânsito de helicópteros prejudicou um pouco nosso trabalho, mas ainda assim valeu a pena.

Aqui, apresentamos uma síntese do que foi possível apurar junto à estas mentes bem penteadas, acajus e com implantes naturais (em tempo: nossos “grampos” mentais estão dispensados de autorização judicial):

“Puxa, que susto! È verdade que nunca antes na história deste país viu-se tamanha falta de respeito e consideração com as elites, no bom sentido, como vem acontecendo de uns aninhos para cá. Mas, também, em última análise, que alívio!

Primeiro foi aquele sofrimento com a perseguição ao banqueiro Daniel “Opportunity” Dantas, dentro daquela tal Operação Satiagraha. Só te agarra!, isso sim. Inda bem que sempre pudemos contar com o corajoso ministro Gilmar Mendes, dotado do mais alto saber jurídico, para livrar este brilhante player, que orgulha as cores nacionais, das algemas de policiaizinhos e juizinhos que não conhecem seu lugar, na ordem natural das coisas. Está certo que ele foi condenado – sabe-se lá, em que circunstâncias, né? – por corrupção ativa, para cima, mais uma vez!, de um delegado da PF... Mas, está em liberdade!

Depois foi a verdadeira caçada à querida Eliana Piva de Albuquerque Tranchesi, vulgo “Daslu”. Tiveram o peito de enquadrar a nossa Lili por formação de quadrilha, importação fraudulenta e falsidade ideológica. Ideológica, pra mim, é essa perseguição, coisa de comunista frustrado. Quem só quer ganhar seu dinheiro - competente e competitivamente - não pode ficar sujeito a leisinhas e regulamentos ultrapassados. È por causa destas regras bobas que a banca mundial quebrou! Se tivessem deixado o dedo do mercado ainda mais livre, para enfiar mais fundo, a mamata, digo, tudo, ia continuar bem... Mas condenaram nossa caríssima empresária a 94 anos de prisão! Foi uma piada, claro: ela saiu no dia seguinte. Se não...

Para completar, esta canalha vermelha enquadrou ninguém menos que a operosa Camargo Corrêa por remessas ilegais de dólares ao exterior, doações irregulares a partidos – PMDB, PSDB, DEM, PPS, PSB, PDT e PP, segundo a imprensa – e por superfaturamento de obras públicas. Vê se pode... Esse pessoalzinho, promotorezinhos, procuradoresinhos, juizesinhos e delegadinhos não têm mais o que fazer, não? Ou perderam a noção do perigo?E ainda acusaram a CC de causar um desfalque de R$ 71 milhões à União! Mas a União somos nós! Sempre fomos unidos no fundamental!
Será que eles não entendem isso?

Bom, não íamos ficar de braços cruzados e algemados vendo tudo isso, não é mesmo? Taí: o delegado Protógenes – hehehe – já foi afastado da PF. Não é tão fácil como eles estavam pensando... Nossa bancada, em todos os escalões, está agindo.

Estamos tranqüilos. Deus, caso tenham esquecido, está do nosso lado há mais de 500 anos. Em último caso, providenciamos a excomunhão de todos eles!”.


Depois dessa, nossos mentalizadores – atingidos por uma cefaléia daquelas - pediram licença de saúde por tempo indeterminado.

terça-feira, 14 de abril de 2009

Crônica Minha


Do amor cantado

José Antônio Silva

Conforme a MPB, o amor pode, não sei se deve, ser dividido mais ou menos como segue aqui (independente da qualidade musical de cada artista citado):


1. Adolescente: “Só falta te querer/ Te ganhar e te perder/ Falta eu acordar/ Ser gente grande pra poder chorar”, Lulu Santos. Ou: “Um amor de verão/ vem com tudo a favor/ foge em ondas de calor”, Felipe Dylon.


2. Indeciso: “Pérola Negra, te amo, te amo/ nem sei se te amo/ meu amor", Luiz Melodia.


3. Intenso: “Cartas já não adiantam mais/quero ouvir a sua voz/ vou telefonar dizendo/ que eu estou quase morrendo/ de saudades de você”, Roberto Carlos. Ou: “Uma mulher/ uma beleza/ que me aconteceu”, Caetano Veloso.


4. Caliente: “Quero te pegar no colo/ te deitar no solo/ te fazer mulher”, Wando. Ou: “Me vira de quatro/ no ato/ me enche de amor”, Rita Lee.


5. Machista: “De dia me lava a roupa/ de noite me beija a boca/ e assim nós vamos vivendo de amor”, Lupicínio Rodrigues. Ou: “Às vezes passava fome ao meu lado/ e achava bonito não ter o que comer/ ah que saudades da Amélia/ aquilo sim e que era mulher”, Mario Lago. Ou: “Quando chega a madrugada/ ele some/ ele é quem quer/ ele é o homem/ eu sou apenas uma mulher”, Chico Buarque.


6. Magoado: “Tire seu sorriso do caminho/ que eu quero passar/ com a minha dor”. Nelson Cavaquinho. Ou: “Você há de rolar como as pedras/ que rolam na estrada/ sem ter nunca um cantinho de seu/ para poder descansar”, Lupicínio Rodrigues.


7. Terminal: “Drão, não pense na separação/ o amor da gente é como um grão/ tem que morrer pra germinar”, Gilberto Gil. Ou: “Acontece que nosso amor/ ficou frio/ nosso ninho de amor/ está vazio”, Cartola.


8. Infinito: “Estou de volta ao meu aconchego/ trazendo na mala bastante saudade/ na hora de regressar/ parece que vou mergulhar/ na felicidade sem fim”, Nando Cordel.


Arbitrariamente, de momento é isso: é claro que a brincadeira poderia continuar ad infinitum. Para terminar, lembro o que diz o falso brega Falcão: “Dinheiro não é tudo, mas é cem por cento”. Aqui, no caso, vamos trocar de riqueza: no lugar do dinheiro deposite a palavra amor.