segunda-feira, 17 de novembro de 2008

Poetando (5)

Cada dia

José Antônio Silva

Cada dia
é uma cópia
de outro e outro e outro
de bilhões de outros dias
se é que houve um
inaugural

e cada dia
é uma cópia exata
até na infinitude
das pequenas e grandes variações
que um dia comporta
antes de mergulhar
no amanhã.

E apesar disso
cada dia
- cada idêntico dia
parido pelo sol -
é um novo novíssimo
irmão caçula de tantos
que o antecederam.

Na memória da natureza
cada dia a todos contém
- imensuravelmente velho seria
houvesse contagem
numa ficha cósmica.

Cada menina manhã
nos engana
- e não
não nos engana:
todos somos manhãs
tardes
e anoitecemos.


2003

2 comentários:

Fraga disse...

Filigrana de bordar na fronha do tempo, Zé Antonio. Te admirar é um hábito natural de quem conhece tua verve.

José Antônio Silva disse...

Brigadão, Fraga. Vamos rasgar uma seda: é mútua a admiração.
abraço
zé antônio